Prefeitos atrasam salários por causa da crise e queda no repasse do FPM

J
Queda no repasse do FPM impede que 40% das prefeituras paguem folha em dia
A crise financeira dos municípios mineiros deve levar pelo menos 40% das prefeituras do Estado a atrasarem salários de servidores durante o ano, segundo projeção do presidente da Associação Mineira de Municípios (AMM), Antônio Júlio (PMDB), prefeito de Pará de Minas, a exemplo do que fez o governador Fernando Pimentel (PT). O principal motivo é a queda no repasse do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), que é a maior receita de grande parte das cidades e não acompanhou o crescimento dos custos em 2015.

Em Betim, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, a prefeitura já anunciou pagamento escalonado de salários para as folhas de fevereiro e março. De acordo com o cronograma do município, no dia 7 de março serão pagos R$ 2 mil a todos os servidores, com a quitação total dos salários de 63% dos funcionários. Em seguida, no dia 16 de março, será paga a parcela complementar.

Expectativa

O secretário municipal de Finanças, Planejamento e Gestão de Betim, Gustavo Horta Palhares, explica que a expectativa é de que a folha de pagamentos do mês de abril volte à normalidade. Mas admite que se houver novas quedas de receita outras medidas virão.

“O município vem enfrentando uma acentuada queda na receita líquida desde 2014. Metade dela é formada por repasses do ICMS que são 100% pautados na movimentação econômica. Em um momento de queda no setor industrial, principal em Betim, o cenário de dificuldade é ainda maior. Todas as medidas de contenção de custos que tomamos levaram a uma redução de despesa na ordem de R$ 100 milhões. O problema é que nossas receitas foram R$ 167 milhões menores do que a expectativa”, explica.

A situação das prefeituras no Noroeste de Minas é ainda mais difícil devido à grande dependência dos repasses do FPM. O prefeito de Arinos e vice-presidente da Associação dos Municípios da Microrregião do Noroeste de Minas (Amnor), Roberto Sales, afirma que a maioria das 19 cidades da associação terá dificuldades em pagar salários.

“Todos os prefeitos estão passando por situação muito difícil, reduzindo empregos. O governo federal ainda autoriza reajuste dos servidores de educação em 11,4%, mas os municípios conseguem pagar no máximo 4%. Municípios como Januária estão com três meses de atraso nos salários. Às vezes, temos que sacrificar serviços como o transporte escolar”..

No último janeiro, segundo a Confederação Nacional de Municípios (CNM), foram transferidos aos cofres municipais R$ 7,09 bilhões, frente aos R$ 8,13 bilhões no mesmo período de 2015. Uma queda de 12,71% ou R$ 1,03 bilhões.

Queda no repasse do FPM impede que 40% das prefeituras paguem folha em dia
ANTÔNIO JÚLIO – Presidente da AMM revela dificuldades das administrações (Foto: Wesley Rodrigues/Hoje em Dia)
Crise e eleição municipal vão piorar situação nas prefeituras

Em meio a um cenário incerto no campo político e econômico, o dilema dos municípios tende a continuar ao longo de 2016, segundo previsões de especialistas. O estudo técnico da Confederação Nacional de Municípios (CNM) publicado em janeiro aponta que o desequilíbrio da estrutura federativa e o processo eleitoral deste ano vão complicar ainda mais as gestões municipais, agravando a situação.

Segundo o documento, “os gestores municipais já enfrentaram dificuldades, em 2015, para custear medicamentos, para custear o transporte de alunos, para pagar fornecedores e servidores públicos, e manutenção de salários de médicos e de professores do magistério. Diante disso e das previsões, que continuam pessimistas para este ano, é possível prever que a crise dos municípios brasileiros será agravada”.

A economista da Associação Mineira de Municípios (AMM), Angélica Ferreti, explica que o FPM é formado pelo Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) e Imposto de Renda (IR), portanto, a retração econômica afeta diretamente o repasse que é feito para os municípios.

“As dificuldades que os municípios encontram se deve a essa sazonalidade do FPM. A expectativa do governo para o mês de março é de queda de 27% nesse fundo. Em abril, a projeção é de crescimento de apenas 13%. O cenário não é bom”, explica.

O presidente da CNM, Paulo Ziulkoski, destaca que no Sul e Sudeste do país o impacto é um pouco menor. Para ele, a situação é mais aguda no Nordeste e Centro-Oeste, onde muitas prefeituras não pagaram sequer o 13º salário. “A crise se generalizou. Não vejo possibilidade de retorno porque não tem como mudar”, avalia.

Nos primeiros dez dias de janeiro, 1.467 municípios brasileiros tiveram entre 70% e 100% do repasse do FPM zerado, segundo dados da CNM

COM INFORMAÇÃO DO JORNAL HOJE EM DIA

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Governo Federal anuncia que vai asfaltar trecho da BR 135 entre Itacarambi, São João das Missões e Manga

Família morta em acidente no Vale do Jequitinhonha é enterrada em Paulínia

Prefeita visita obra no Parque de Exposições em Itacarambi

FALECEU NO INÍCIO DESTA NOITE EM BRASÍLIA-DF O PREFEITO ZÉ GALEGO DE BONITO DE MINAS,

PREFEITA DE ITACARAMBI SOLTA NOTA DE PESAR PELO FALECIMENTO DO AMIGO ZÉ GALEGO PREFEITO DE BONITO DE MINAS