Homem é condenado a mais de 22 anos de prisão por matar e esconder o corpo de jovem dentro de mala, em Engenheiro Navarro

 

O homem acusado de matar e esquartejar uma jovem, em Engenheiro Navarrofoi condenado a 22 anos e 8 meses de prisão nesta segunda-feira (21). O corpo da vítima, Cíntia Taís Gomes dos Santos Silva, que na época tinha 21 anos, foi encontrado dentro de uma mala na casa do investigado, em abril de 2021. (Relembre o caso abaixo).

A sentença atribuída a Carlos Roberto Gonçalves foi estabelecida de acordo com denúncia do Ministério Público, por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. A pena total foi de 22 anos e 8 meses em regime fechado. A sessão de júri popular aconteceu no Fórum Doutor José Maria Alkmim, em Bocaiuva, com o Conselho de Sentença formado por quatro homens e três mulheres.

“A denúncia imputa ao Carlos Roberto o crime de homicídio qualificado, pelo emprego que impossibilitou a defesa da vítima, e o crime de ocultação de cadáver. O Ministério Público vai sustentar a condenação na íntegra da denúncia e espera que as penas alcancem um patamar condizente com a gravidade desses dois crimes que foram praticados”, considerou o promotor Thiago Diniz Moura, momentos antes do julgamento.

O g1 entrou em contato com a defesa, representada pelo advogado Antônio Rodrigues Azevedo. Ele informou que não pretende recorrer da decisão.

“Com a sustentação no plenário, entendemos que a sentença foi satisfatória, pois a defesa conseguiu reduzir a pena prevista. Com isso, conseguimos reduzir a pena do homicídio de 30 anos para 21 anos e também a pena de ocultação de cadáver de três anos para um ano e oito meses. Ao todo, conseguimos a redução de pelo menos 10 anos e oito meses”, disse.

Entenda o caso

Carlos Roberto Gonçalves foi preso no mesmo dia em que a polícia encontrou o corpo da vítima, que era considerada desaparecida. Ao ser preso, o homem afirmou que a jovem morreu em decorrência do consumo excessivo de drogas, versão que, para a Polícia Civil, foi descartada.

Cíntia Taís Gomes dos Santos Silva era considerada desaparecida e o acusado chegou a trocar mensagens em um aplicativo de celular com familiares dela, após cometer o crime.

Em uma das conversas por mensagens, uma prima de Cintia diz que a família está procurando por notícias. O homem responde "todo mundo tá me ligando". Em seguida, a parente afirma: "Estamos preocupados, apenas" e ele diz: "Gente, vi ela sim, mas depois saiu com alguém num carro branco. Acho que nem é de Navarro, só sei isso."

Para a Polícia Civil, o investigado inventou a história de que a jovem teria entrado no veículo para tentar se livrar de suspeitas e mudar o foco da investigação. A hipótese já havia sido descartada, já que ninguém mais confirmou ter visto Cíntia.(por G! Grande Minas)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Carro invade contramão, bate contra ônibus, mata três pessoas e fica destruído na BR-070, diz PRF, AS DUAS VÍTIMAS FATAIS SÃO DA CIDADE DE ITACARAMBI

Mulher sente falta do ex-marido, aciona a PM e homem é encontrado morto dentro de casa em MG