Norte de Minas é incluído na 'onda roxa': 'Por 15 dias será decretado lockdown em toda a região'

 

O governador Romeu Zema (Novo) publicou na tarde deste sábado (06) em uma rede social que a macrorregião Norte também entrará na "onda roxa" do programa Minas Consciente.

"O objetivo da medida é restabelecer a capacidade de atendimento hospitalar da região para preservar a rede de Saúde de todo o Estado", disse o governador.

A “onda roxa” prevê medidas mais restritivas para conter o avanço do coronavírus, como fechamento do comércio não essencial, toque de recolher das 20h às 5h e restrição de circulação de pessoas, que só poderão sair de casa para atividades essenciais. Veja todas as medidas impostas pela "onda roxa".

Governo determina toque de recolher e fechamento de lojas em parte de Minas Gerais

Toque de recolher, fechamentos e restrições: saiba o que determina a 'onda roxa' criada em Minas

Em nota, a Superintendência Regional de Saúde informou que a deliberação do Comitê Extraordinário de Enfrentamento da Covid-19 será publicada no Diário Oficial de Minas Gerais nesse domingo (7) e abrange 86 municípios da região ampliada de saúde.

“Por 15 dias será decretado lockdown em toda a região, com o objetivo de reduzir as notificações de casos de Covid 19 e com isso, diminuir a superlotação dos hospitais”, diz a nota.

Ainda segundo a Superintendência, a decisão foi tomada na manhã deste sábado (6) durante uma reunião realizada por meio de videoconferência entre o secretário de Estado de Saúde, Carlos Eduardo Amaral, deputados, prefeitos e secretários municipais de saúde. Também participaram da reunião a superintendente regional de saúde de Montes Claros e as gerentes regionais de saúde de Januária e Pirapora.

Veja abaixo as medidas impostas pela "onda roxa":

Funcionamento apenas do serviço essencial (veja abaixo o que é considerado essencial)

Suspensão de cirurgias eletivas

Restrição de circulação de pessoas (só poderão sair de casa para atividades essenciais)

Toque de recolher das 20h às 5h e aos finais de semana

Proibição de pessoas sem máscara em qualquer espaço público ou de uso coletivo, ainda que privado

Proibição de circulação de pessoas com sintomas de gripe, a menos que estejam indo para consulta médica

Proibição de eventos públicos ou privados

Proibição de reuniões presenciais, inclusive entre parentes que não morem na mesma casa

Implantação de barreiras sanitárias de vigilância

Fechamento de bares e restaurantes (funcionamento apenas por delivery)

A “onda roxa” foi divulgada pelo Governador de Minas, Romeu Zema, na última quarta-feira (3) e é impositiva, ou seja, todos os municípios inseridos são obrigados a seguir as regras determinadas pelo estado, ao contrário do que vinha acontecendo até então, quando cabia a cada prefeitura decidir aderir ou não ao Minas Consciente.

São considerados serviços essenciais em Minas:

Alimentos, Agropecuária e Agroindústria (excluídos bares e restaurantes);

Serviços de Saúde (atendimento, indústrias, veterinárias, etc);

Bancos e seguros;

Transporte público;

Energia, gás, petróleo, combustíveis e derivados;

Manutenção de equipamentos e veículos;

Construção civil;

Indústrias (apenas da cadeia de Atividades Essenciais);

Lavanderias;

Imprensa;

Serviços de TI, dados, imprensa e comunicação;

Serviços de interesse público (água, esgoto, funerário, correios etc.).

Situação dos hospitais de Montes Claros

Montes Claros, maior cidade do Norte de Minas, é referência para 95 municípios, mas está com os hospitais superlotados. A taxa de ocupação dos leitos clínicos SUS é de 94%, a de UTI adulto SUS é de 84% e a dos leitos clínicos de convênio/particular é de 79%, segundo o último boletim epidemiológico.

Nos últimos dias, a falta de vagas fez com que hospitais da cidade suspendessem atendimentos de casos confirmados e suspeitos de coronavírus.

Montes Claros terá mais 82 leitos clínicos e 20 de UTI para tratar pacientes com Covid, diz secretária de Saúde

Covid-19: Veja a ocupação dos leitos clínicos e de UTI em Montes Claros

Na quinta-feira (5), a secretária de Saúde, Dulce Pimenta, anunciou a abertura de novos leitos em Montes Claros e o Hospital Alpheu de Quadros começou a funcionar como hospital de campanha.

Em entrevista o MG1 nessa sexta-feira (5), Dulce Pimenta explicou que o município passará a contar com mais 82 leitos clínicos e 20 de UTI, a distribuição ficou da seguinte forma:

Leitos clínicos
- Alpheu de Quadros (hospital de campanha) - 35 leitos clínicos
- Hospital Universitário - 12 leitos clínicos
- Prontosocor - 35 leitos clínicos

Leitos de UTI
- Prontosocor - 10 leitos
- Hospital Pró-Vida – 10 leitos

Fonte G1 GRANDE MINAS

Comentários