Polícia Civil prende homem investigado por abusar sexualmente da filha em Manga

Horas após ser liberado do presídio, um homem, de 56 anos, foi preso suspeito de abusar da própria filha, de 16. O mandado judicial foi cumprido pela Polícia Civil, em Manga (MG), nesta sexta-feira (12).

Na semana passada, o investigado foi levado pela Polícia Militar para a delegacia após ser preso em flagrante por porte ilegal de arma. Como a filha disse aos militares que foi ameaçada por ele, ela também foi conduzida para ser ouvida.

Durante a oitiva, a menor negou os fatos, mas a delegada Thais Santos Duarte notou que ela estava amedrontada e apreensiva, por isso, determinou a abertura de uma investigação para apurar a suspeita de abuso sexual.

Segundo os levantamentos da Polícia Civil, a garota foi vítima de violência sexual pela primeira vez em outubro de 2020. O pai ainda teria tentado abusar da filha em outras ocasiões, sendo a última no dia 7 de março deste ano.

A delegada representou pela prisão dele e o mandado foi cumprido na tarde desta sexta. Horas antes, na parte da manhã, o homem tinha sido liberado do presídio onde estava desde o dia em que foi detido por porte ilegal de arma.

Conforme a delegada, nenhum advogado se apresentou à Polícia Civil para defender o homem.

Como denunciar

A Polícia Civil destaca que casos de violência doméstica ou familiar podem ser denunciados presencialmente em unidades policiais ou pelos seguintes meios:

Disque 100: Quando as vítimas forem crianças, adolescentes, idosos ou pessoas com deficiência

Central de Atendimento à Mulher 180: Para casos de violência contra mulheres

Delegacia Virtual: Para os casos de ameaça, lesão corporal, vias de fato e descumprimento de medida protetiva. A plataforma ainda permite que as vítimas solicitem medida protetiva enquanto fazem o registro.

Aplicativo MG Mulher: As vítimas criam uma rede de contatos que poderão ser acionados quando elas se sentirem ameaçadas. É possível ainda ter acesso aos endereços e telefones das unidades policiais mais próximas.

Fonte:G1 grande minas


Comentários