Prefeitos do Vale do Jequitinhonha se unem em busca de soluções para enfrentar a crise econômica e para garantir salários dos servidores da Educação



Os 51 municípios do Vale do Jequitinhonha possuem o menor IDH (índice de desenvolvimento humano) do Estado de Minas Gerais e nenhum apresenta receitas próprias suficientes para se manterem, sendo totalmente dependentes dos recursos repassados pelo Estado e pela União. Com a retenção indevida desses recursos pelo Governo Estadual, as prefeituras vem sendo obrigadas a fazer diversos cortes em serviços essências, como saúde e assistência social. Os prefeitos têm se valido de emendas dos deputados federais e de recursos da união para manter os serviços funcionando, no entanto, a retenção indevida dos recursos do Fundeb por parte do Estado, coloca ainda mais dificuldade no funcionamento das administrações municipais, comprometendo os salários dos servidores e os serviços da Educação. Segundo os prefeitos, as administrações correm risco de entrarem em um colapso que vai afetar profundamente a vida de todos os cidadãos.
Recentemente, vários Municípios tiveram que paralisar o transporte escolar e agora estão ameaçados de não conseguirem pagar a folha salarial da educação. Diante desse quadro, as associações comunitárias do Alto, Médio e Baixo Jequitinhonha, AMAJE, AMEJE e NOVA AMBAJE, convocaram uma assembleia na cidade de Itaobim, que contou com a presença de mais de quarenta Prefeitos, onde estes e diversos outros assuntos de interesse do Vale foram discutidos.

Preocupados com a população de seus Municípios e os seus servidores, os prefeitos fizeram contato com a assessoria do Governo do Estado e obtiveram o compromisso do Governador em receber os representantes do Vale do Jequitinhonha em Belo Horizonte, na próxima segunda-feira, dia 23 de julho, às 17h, no Palácio da Liberdade. A expectativa dos Prefeitos é de sensibilizar o Governador, para que diante da crise que assola todo o Estado, enxergue de maneira diferente o Vale Jequitinhonha e sua população, que até o momento é quem mais sofre os efeitos da crise econômica.
Foi também unanimidade entre os prefeitos e demais autoridades presentes, a necessidade de criação de uma entidade única que represente de maneira comum os interesses de todos os municípios do Vale do Jequitinhonha, que já ganhou ate o nome de UMVALE (União dos Municípios do Vale do Jequitinhonha). Somando a população das 51 cidades, essa nova entidade representaria mais de 700.000 (setecentas) mil pessoas, o que seria uma voz forte falando pelo Jequitinhonha junto aos governos Estadual e Federal.
Fonte: www.aconteceunovale.com.br

Comentários