Operação de combate à comercialização de carne clandestina é deflagrada por órgãos fiscalizadores no Norte de MG


Instrumentos cortantes e couro animal foram apreendidos na zona rural de Glaucilândia — Foto: IMA/ Divulgação
Uma operação para coibir o abate clandestino de bovinos e suínos foi deflagrada nesta segunda-feira (17) em câmaras frias e abatedouros do Norte de Minas. Segundo informações do Ministério Público, quatro mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Montes Claros e Glaucilândia. Durante as fiscalizações, couros de animais e instrumentos cortantes foram apreendidos, além de queijos em situação irregular encontrados durante blitzes nas estradas.
A ação, batizada de Carne Segura, foi proposta pelo Ministério Público de Montes Claros, em parceria com a Polícia Militar, Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais e Polícia Rodoviária Federal. Segundo o promotor de Justiça, Felipe Caires, outras fases da operação serão realizadas junto a vendedores do produto.
“Cumprimos quatro mandados de busca e apreensão em locais suspeitos de serem câmeras frias clandestinas de carne e dois locais suspeitos de serem abatedouros clandestinos também de gado. Também fizemos fiscalizações em três pontos em rodovias que dão acesso a Montes Claros. Nas próximas fases vamos atuar em açougues e supermercados da região, verificando se algum deles está comercializando carne clandestina em datas surpresa”, explica Caires.
O promotor argumenta que a população precisa se conscientizar de que o produto sem procedência pode oferecer riscos à saúde de quem consome. “É muito importante que população se conscientize de que comprar carne clandestina oferece grande risco à saúde, então o consumidor não deve fazer isso”, diz.
Caires ainda argumenta que os açougueiros e supermercadistas também devem se conscientizar e se atentar para as sanções que podem sofrer. “É mais importante ainda que nossos açougueiros e supermercadistas se conscientizem de que vender carne clandestina, além de ser infração sanitária e ser contra o direito do consumidor, é crime cuja pena pode chegar a cinco anos de detenção. Se algum comerciante for encontrado vendendo carne clandestina, a carne vai ser apreendida, ele vai ser multado e levado para delegacia”, afirma o promotor.
APREENSÃO
Segundo informações da PM, militares acompanharam a ação dos órgãos fiscalizadores para que os mandados de busca e apreensão fossem cumpridos e para coibir práticas ilegais. O material de couro de animais e instrumentos cortantes foi apreendido em Glaucilândia.
De acordo com o MP, o responsável pelo possível abatedouro de Glaucilândia não foi encontrado para que alguma autuação fosse feita.(G1 GRANDE MINAS)

Comentários