Polícia prende três suspeitos de participação na morte de pai de militares em Montes Claros


Dois dos suspeitos pelo crime foram apresentados pela polícia — Foto: Juliana Gorayeb/G1
Três homens, de 17, 24 e 34 anos foram presos na tarde desta terça-feira (9) suspeitos de envolvimento na morte de um homem de 64 anos, que foi assassinado à pauladas durante a madrugada em Montes Claros. A vítima era pai de policiais militares e de um agente penitenciário, e a suspeita é de que o crime trate-se de um latrocínio, quando se mata na intenção de roubar alguém.
As prisões dos suspeitos ocorreram em três bairros de Montes Claros: Vila Exposição, Santa Cecília e Renascença. Segundo a PM, foi feito rastreamento com a ajuda do setor de inteligência, chegando até a residência de um dos autores, que confessou o crime e entregou os demais participantes.
Ainda segundo a polícia, o suspeito preso no Bairro Vila Exposição, de 24 anos, trocou tiros com os militares e acabou baleado. O homem foi socorrido e encaminhado pela própria viatura que estava no local até a Santa Casa de Montes Claros. No fim da tarde desta terça, o homem permanecia internado com escolta armada na unidade de saúde. A assessoria informou que o homem foi baleado oito vezes e passa por cirurgia; ele está consciente e estável.
Durante a ação foi apreendido o revólver usado por um dos homens, quatro televisores, duas caminhonetes, toucas e celulares. Segundo informações da PM, outros dois envolvidos foram identificados e estão foragidos. Todos os suspeitos têm passagens pela polícia por roubo, tráfico, desacato, lesão corporal e outros crimes.
Mais de 70 militares e 30 viaturas foram envolvidas na ação para a prisão dos suspeitos. “Ação repercute de forma positiva, na medida de que os criminosos sabem que se cometerem crimes desta natureza serão penalizados”, afirma o coronel Borges.
Caminhonete foi encontrada na Estrada da Produção — Foto: Pablo Caires/Inter TV
O crime
Durante coletiva de imprensa na noite desta terça-feira, a Polícia Militar apresentou detalhes do caso. Segundo a PM, há cerca de dois meses um marceneiro foi realizar trabalhos na residência da vítima, e a partir deste dia a quadrilha começou a articular o assalto; a polícia acredita que o grupo planejou o crime por uma semana.
inda de acordo com a PM, durante o assalto a vítima reagiu, foi espancada e estrangulada; a causa morte foi asfixia. Segundo o laudo da perícia, o idoso teve fraturas na costela e uma série de lesões pelo corpo. A polícia descartou qualquer possibilidade do crime ter relação com a função profissional ocupada pelos filhos.(G1 GRANDE MINAS)

Comentários