HISTÓRIA DE ITACARAMBI 1976 “O FUSQUINHA AZUL CHAMADO MONSTRINHO”

Vou começar contando esta história de nossa querida Itacarambi, primeiramente todas ás vezes que vejo um ‘’fusquinha azul’’, lembro de um personagem que fez parte da vida pacata de nossa querida terrinha, em meados dos anos 70, eu tinha meus 14 anos, ainda adolescente,  com muita vontade de viver e curtir os embalos dos sábados á noite, nas boates CHANGADA E ACONCHEGO, dois lugares que dominavam ás noites românticas de nossa querida Itacarambi.

Vamos voltar para a história do ‘’MONSTRINHO’’, pelo nome dá até um receio e medo, mas isso não tem nada a ver. Monstrinho é um fusquinha ano 1970 de cor azul, que trafegava nas ruas de Itacarambi, com potência, era um carro que os ‘’DONOS,’ ou seja, os motoristas  dirigiam o tempo todo, o proprietário mesmo, deixava os amigos dirigir o veículo.

Raramente, o ‘’MONSTRINHO’’ ficava parado, nem para descansar, trafegava para tudo quanto era lugar. Vou revelar para você   quem era o dono do possante fusquinha azul, e porque tinha este nome. Mas antes, vamos falar de um jovem de muito talento, no esporte, que representou nossa cidade por muitos anos, jogando nos melhores Clubes Esportivos, que saiu para jogar, fora de nossa querida terra. Inicialmente, ingressou no ISAB de Belo Horizonte, em seguida no Nacional de Manaus e outros Clubes brasileiros, estou focando nesta história, o filho da terra, ITAMAR BARBOSA, que era considerado na época um famoso goleiro, e que representava Itacarambi, nos lugares que passou.

Lembro como   hoje, a humildade deste profissional, quando chegava em Itacarambi de férias, todos queriam um autógrafo, nessa   época, era o único itacarambiense que jogava nos Clubes. Para ouvir seu nome nos jogos dos campeonatos brasileiro, tinha que ligar o rádio nas emissoras, ‘’Inconfidência ou Rádio Nacional’’, era o único meio para acompanhar a fama do nosso Goleiro Itamar. Seu irmão, Aroldo Barbosa, hoje falecido, tinha orgulho de ver o irmão caçula jogar e ouvir o locutor falar o nome de Itamar quando pegava a bola.

Já que falei do Itamar, vamos voltar para a história do fusquinha azul, o personagem desta história, foi o goleiro que trouxe o  fusquinha para Itacarambi e presenteou o seu irmão, JOSEFINO, que ficou muito alegre. O fusquinha tinha uma faixa no para-brisa com a seguinte palavra ’’MONSTRINHO,’’ por isso foi apelidado.

Este carro tem história, FINÃO,  era o proprietário, deixava todo mundo dirigir,   era um entra e sai de motoristas, que o carro,  não estava aquentando mais, todos queriam dirigir, mas para colocar óleo e gasolina ,ninguém se preocupava, o que ocasionou o desgaste do carro.

 Para finalizar a história do monstrinho. Numa bela noite, um dos motoristas, tentou dirigir o veiculo, em plena praça da Matriz, como o motor não queria funcionar, pediu para os meninos empurrá-lo,   foi nesta hora, que’ o motor começou a pegar fogo, e foi uma correria para tentar apagar. Nesse momento, o cuidador do jardim da praça, ‘’BIÉ” veio correndo com uma mangueira, e jogou água no motor aumentando ainda mais o fogo, o jeito foi jogar areia para rebelar o incêndio, conseguindo assim apagar as labaredas.

Enfim, o fusquinha ficou parado por muito tempo.Tudo isso, faz parte da história de Itacarambi, quero aqui, dedicar esta história ao amigo ITAMAR BARBOSA, ex-goleiro, o seu irmão JOSEFINO, mais conhecido como Finão e demais pessoas não citadas na história, e toda família dos BARBOSA

Vailton Ferreira


Comentários