PREFEITURA E SECRETARIA DE AGRICULTURA DE ITACARAMBI REATIVA A FÁBRICA DE FARINHA, DESATIVADA HÁ MAIS DE 5 ANOS NA VÁRZEA GRANDE.


Prefeitura Municipal de Itacarambi por meio da Secretaria Municipal de Agricultura e Pecuária, em Parceria com Sindicato dos Produtores de Januária e SENAR, Realizou nos dias 05 a 09/06/18 Curso de Capacitação para 13 Pequenos produtores da Comunidade de Várzea Grande, O Curso foi uma Solicitação dos Pequenos 
Produtores de Mandioca da Comunidade, visando melhoramento na PRODUÇÃO de Farinha e Polvilho.   O Secretario Gilmar Barros, falou da importância do Apoio da Prefeita Dra. Nívea Maria, que juntamente com os 37 produtores da Comunidade reativaram o Empreendimento "Casa de Farinha" que há quase cinco Anos estava desativada e virando Sucata. Graças aos esforços dos produtores com apoio da Prefeitura junto com a Secretaria de Agricultura e Especialmente aos Proprietários da Fábrica. O Secretário Gilmar Barros ressalta que é uma "Maneira que o Município tem para alavancar e valorizar o homem do campo, Sempre buscando alternativas e parcerias com apoio do poder Público Executivo, gerando emprego e Renda para às FAMÍLIAS da Comunidade Local".
A estiagem foi tão grande na região da Várzea Grande que as fábricas de farinha e de aguardente, tiveram que desativar a produção, porque não  tinha o  material para a fabricação. Há mais de cinco anos, que tudo estava parado. Segundo um dos diretores da Associação dos Produtores Rurais da Várzea Grande, tinha época que a fábrica de farinha chegava a produzir 80 sacos por dia, abastecendo toda a região de Itacarambi, principalmente o alambique, que também encerrou a produção por falta da cana de açúcar, que sumiu da região.Com a reativação da CASA DA FARINHA, a produção voltará e o manejo da mão de obra estará funcionando a todo vapor, o produto não faltará, porque o fornecedor da mandioca garantiu que estará distribuindo de acordo com demanda. Segundo o secretário Gilmar, futuramente a produção da mandioca estará sendo na região de Itacarambi, por enquanto o fornecimento está vindo do Mocambinho no projeto-Jaíba. Onde deixa o produto mais caro, se for plantado em Itacarambi, o acesso de transporte ficará em conta.
Por Ascom da PMI/Vailton Ferreira/Rildo Madureira-fotos Gilmar Barros














Comentários

Postar um comentário