Pular para o conteúdo principal

Povos tradicionais do Norte de Minas recebem doações de alimentos

ALIMENTOS – Doações começam a chegar a quilombos, aldeias indígenas e para os vazanteiros, considerados grupos vulneráveis
ALIMENTOS – Doações começam a chegar a quilombos, aldeias indígenas e para os vazanteiros, considerados grupos vulneráveis
Comunidades e povos tradicionais do Norte de Minas começam a receber ajuda para enfrentar esse período de pandemia. O Estado iniciou ontem a distribuição de cestas básicas na região para essa população, considerada de extrema vulnerabilidade. Para todo o território mineiro, serão entregues 5 mil cestas básicas.
A ação é realizada pela Defesa Civil Estadual, juntamente com a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social (Sedese). As doações buscam contribuir para a garantia da segurança alimentar dessas comunidades.
Ontem, os suprimentos começaram a ser entregues aos povos e comunidades tradicionais de Januária e também de Santa Luzia, na Grande BH.
No próximo dia 5, chegam a Montes Claros para atendimento ao município de Janaúba. Já no dia 6, será a vez de Januária. O benefício chegará também aos municípios de São Francisco, São João da Ponte, Itacarambi, Bonito de Minas, Brasília de Minas e Diamantina. Já em 13 de maio será a vez da população de Teófilo Otoni.
As cestas alimentares serão distribuídas, inicialmente, a quilombolas, indígenas, ciganos, circenses e vazanteiros (que vivem na beira de rios). Hoje, em Minas Gerais, já são reconhecidos 17 segmentos e povos tradicionais, como os apanhadores de flores sempre-viva, artesãos de barro e tecelãs, catingueiros, congadeiros, extrativistas, faiscadores, garimpeiros, geraizeiros, indígenas e pescadores artesanais. Muitos deles presentes no Norte de Minas.
 
CENÁRIO
Com o aumento do desemprego e a queda na produção rural, a pandemia de coronavírus agravou ainda mais a situação econômica dos povos e comunidades tradicionais. A proibição de espetáculos, por exemplo, afetou sobremaneira os circenses, enquanto a ausência de turistas nas principais cidades do interior do Estado prejudica as comunidades que têm como renda o artesanato ou a venda de produtos extrativistas.
Para o coordenador estadual de Políticas de Promoção da Igualdade Racial e dos Direitos dos Povos e Comunidades Tradicionais da Sedese, Cléver Machado, essa ação é extremamente necessária para enfrentar os impactos da pandemia sobre essas pessoas.
“Tais povos possuem uma histórica vulnerabilidade imunológica e baixos índices de desenvolvimento humano. Com isso, nessas populações verifica-se um alto índice de doenças crônicas, tais como anemia, hipertensão arterial, desnutrição, diabetes, o que as categoriza como grupos de risco ante a pandemia de Covid-19”, afirma Cléver.
Segundo ele, o quadro é “agravado pelas barreiras de acesso desse público às políticas públicas de saúde, habitação, saneamento básico, segurança alimentar, sejam territoriais ou advindas do racismo e preconceitos por conta de suas origens étnico-raciais”.
Mais de 80 mil norte-mineiros estão aptos à Bolsa Merenda
Outra ajuda que está sendo repassada pelo governo de Minas é a Bolsa Merenda. O benefício começou a ser pago na última segunda-feira para alunos da rede pública estadual em situação de extrema pobreza. Em Montes Claros, 3.825 estudantes serão contemplados com o valor de R$ 50 para ser usado na alimentação diária. No Norte de Minas são 81.383 crianças e adolescentes aptos a receber a ajuda.
O programa foi criado para atender alunos que têm na merenda escolar a principal fonte de alimentação do dia. Com o fechamento das escolas, por causa do coronavírus, muitas se encontram privadas da refeição.
Em todo o Estado, deverão ser atendidos 380 mil alunos que atendem ao critério de extrema pobreza, de grupos com renda mensal de até R$ 89 por pessoa.
O Bolsa Merenda terá duração inicial de quatro meses – de abril a julho – e poderá ser estendido de acordo com o calendário escolar.
 
*Com Agência Minas

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TRAGÉDIA NA BR 135 EM ITACARAMBI, DUAS VÍTIMAS FATAIS.

DOIS HOMICIDIOS EM MENOS DE 24 HORAS EM ITACARAMBI.

HOMICÍDIO EM ITACARAMBI NA QUARTA-FEIRA DE CINZA