PM registra 27 ocorrências de violência contra mulheres no fim de semana no Norte de Minas


Delegacia da Mulher em Montes Claros funciona no Centro da cidade — Foto: Ana Carolina Ferreira/Arquivo pessoal
A Polícia Militar confirmou nesta segunda-feira (7) que registrou no Norte de Minas no último fim de semana pelo menos 27 ocorrências de violência contra mulher que envolvem autores próximos às vítimas, como marido, companheiro, namorado, ou ex-parceiros. A natureza dos registros vai de ameaça, agressão, lesão corpora e até homicídio. O G1 noticiou dois casos de feminicídio no último domingo (6). Em ambas as reportagens, a PM informou que os autores não se conformavam com o término de relacionamento com as mulheres mortas. O major da Polícia Militar, Giovani Rodrigues, lembra que o recomendado é que o quanto antes as vítimas denunciem situações de abuso, para que recebam o respaldo dos órgãos de segurança.
“Nós temos uma equipe de prevenção à violência doméstica que preferencialmente atua em casos como estes. Os dados são monitorados e encaminhados à Polícia Civil por representarem riscos às mulheres envolvidas. Os militares são orientados a ficarem atentos a qualquer tipo de situação que pode ser omitida pela vítima, que pode sofrer de dependência do autor”, afirma.
O major Giovani afirma, ainda, que considera alto o número de registros no Norte de Minas. Para ele, é necessário que as mulheres se protejam com ajuda da polícia. “Colhemos todas as informações possíveis para dar sequencia às investigações. É muito complexo porque nem sempre as mulheres tem coragem de levar adiante as queixas. São muitos casos para um fim de semana só. Em muitos casos, há omissão da vítima. Então a gente faz esforço para motivar mulheres a tomarem providência mais rigorosa para não acontecer como houve em Francisco Sá”, lamenta o major.
Em Montes Claros, a Delegacia da Mulher foi reaberta em 2013. O local funciona na Rua Pires de Albuquerque, 356, Centro. Cerca de 20 vítimas de agressões são atendidas por dia no espaço da Polícia Civil. Para a delegada Karine Maia, muito tem se conquistado na pauta de violência contra o sexo feminino, mas ela também alerta que as mulheres não podem abrir mão de denunciar.
“As mulheres precisam denunciar e permanecerem na denúncia. Muitas delas voltam atrás. O comportamento da mulher, talvez por medo ou dependência financeira, ainda é algo que mantém os relacionamentos abusivos. Por mais que a gente atue, se ela não quiser, a gente não pode fazer nada”, diz.
Assim como o major da Polícia Militar, a delegada concorda que é preciso que as vítimas tomem providências o quanto antes quando percebem que os relacionamentos ultrapassaram a barreira do respeito. “É preciso que elas percebam quando o relacionamento se torna abusivo e tomem providências. O que não pode é denunciar, depois voltar atrás, depois denunciar de novo. A relação cai no desrespeito, gera falta de credibilidade e a situação só se complica”, comenta Maia.
A Polícia Civil orienta que as vítimas de abusos procurem o disque denúncia, através do número 180, ou procurem a Delegacia de Mulheres.(G1 GRANDE MINAS)


Comentários