Animais de estimação podem carregar a Covid-19 na pelagem; saiba como higienizar


Animais de estimação podem carregar o vírus na pelagem — Foto: Júlia Werdan/arquivo pessoal.
Com o avanço do novo coronavírus pelo Brasil, surgem preocupações e dúvidas na população em diversos assuntos. Um deles é em relação à Covid-19 e os animais de estimação. Ainda não há evidências de transmissão da doença entre humanos e animais, segundo o Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais (CRMV-MG), mas é necessário ficar atento a certos cuidados durante a pandemia.
Há coronavírus específico que acomete cães e gatos, como explica a médica veterinária, Patrícia Zanini. “Até onde nós sabemos, não existe contaminação entre humanos e animais, justamente porque o vírus acomete espécies específicas. O coronavírus canino infecta cães na forma de gastroenterite e o coronavírus felino infecta os gatos causando uma peritonite infecciosa”, afirma.
Dessa forma, em relação à Covid-19 que vem se disseminando no Brasil, não estão proibidos os passeios com o animalzinho pelas ruas, porém recomenda-se que seja algo breve.
“A gente recomenda que seja um passeio rápido. O tempo suficiente para ele fazer as necessidades fisiológicas rapidamente, evitando horários com aglomeração, parques e praças. Voltando para casa, claro, é interessante que se faça a higienização das patinhas, com um lencinho umedecido com álcool em gel 70%, por exemplo”, orienta a médica veterinária, Danielle Dourado Maia.
Ainda segundo ela, a pelagem do animal pode carregar o novo coronavírus, caso ele tenha entrado em contato com uma pessoa contaminada através de secreções e partículas virais. Nessa situação, é recomendável que o dono dê um banho com shampoo ação detergente no pet.
Mas, mesmo com as orientações de prevenção, há aqueles que preferem não expor muito o bichinho, como é o caso da estudante Júlia Werdan.
“Com a pandemia, eu parei de sair com o Puppy na rua. O único contato que ele tem é com a menina do pet shop e a veterinária para as vacinas. Mas ele nem pisa na rua, vamos de carro e quando chega no local vou com ele no colo. A veterinária aconselhou sempre limpar as patinhas depois que voltar na rua com um sabão específico, mas prefiro não arriscar”, pondera.
Situação semelhante também com a analista de sistemas, Cristina Abrantes. Ela é tutora da Chanel e tem evitado de realizar os passeios na rua.
“Desde que a pandemia começou, eu tenho evitado sair com a Chanel na rua. Parei de levar no pet shop que costumava e passei a dar banhos em casa. Agora que vim para Timóteo, pedi a uma pessoa que só atende em casa para dar banho”, conta.
Tutores contaminados com a Covid-19
Inevitavelmente, com o avanço da doença, pode ser comum encontrar animais de estimação no mesmo espaço em que tenha um paciente infectado com o novo coronavírus. Ainda conforme a veterinária Danielle Dourado, as orientações de prevenção nesse caso não são diferentes das que são adotadas entre humanos.
“A recomendação é o distanciamento social. Da mesma forma que uma pessoa que está em quarentena numa casa que mora outras pessoas deve ficar isolado, resguardado, a mesma coisa ela vai fazer em relação aos animais. Ela não deve se aproximar no animal, não vai tocar, não vai beijar e nem adular. Caso seja só ela e o animal na residência, os cuidados com o pet devem ser incumbidos a uma outra pessoa, que não seja o tutor contaminado”, explica.(G1 GRANDE MINAS)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TRAGÉDIA NA BR 135 EM ITACARAMBI, DUAS VÍTIMAS FATAIS.

DOIS HOMICIDIOS EM MENOS DE 24 HORAS EM ITACARAMBI.

HOMICÍDIO EM ITACARAMBI NA QUARTA-FEIRA DE CINZA