Ex-detenta é presa após esfaquear funcionária de uma casa de freiras.

Uma ex-detenta de 28 anos foi presa após esfaquear a funcionária de uma casa de freiras e colocar fogo no quarto dela na noite dessa segunda-feira (11), em Rio Pardo de Minas. De acordo com a Polícia Militar, a mulher é natural do Sul de Minas e foi acolhida no local há cinco dias por não ter onde morar. A vítima de 45 anos foi atingida por nove facadas e a suspeita é que ela tenha negado dinheiro para a ex-detenta usar drogas.
“A mulher é usuária e de acordo com os relatos, ela chegou na casa bastante alterada e exigiu por dinheiro para sair novamente. Como a funcionária não deu, ela pegou R$ 52 dela e, mesmo assim, a derrubou, a esfaqueou e ainda colocou fogo na cama e no colchão do quarto. Mesmo esfaqueada, a vítima conseguiu correr até a porta da casa. Os vizinhos perceberam que ela estava ferida, viram a fumaça e chamaram a PM”, explicou o sargento Naques da Silva Xavier. A fumaça se espalhou pela casa e as chamas foram controladas pelos vizinhos. A ajudante de serviços gerais foi socorrida pelo Samu e encaminhada ao hospital municipal. A Unidade informou ao G1, nesta terça, que o estado de saúde dela é estável e não corre risco de morrer.
A casa das freiras fica na Avenida Padre Horácio Giraldi, no Bairro Jaqueira, e o crime aconteceu por volta das 23h. A mulher fugiu no local e foi encontrada casa de um amigo na madrugada desta terça-feira (12).
“Conseguimos identificar um amigo da suspeita, de 68 anos, e ela foi presa na casa dele. Após conversarmos com ele, ficou claro que o homem não tinha conhecimento de nada do ocorrido e apenas cedia a casa para ela, já que a mulher disse que viajaria logo cedo”, contou o sargento. A faca utilizada no crime foi apreendida e a PM recuperou R$ 52; as notas estavam sujas de sangue.
Segundo a polícia, a ex-detenta estava presa por roubo e foi encaminhada à delegacia. O Padre da comunidade foi comunicado e acompanhou a ocorrência. A perícia foi chamada e a Polícia Civil irá investigar o caso.(G1 GRANDE MINAS)

Comentários