Justiça nega licença remunerada a servidora de Itacarambi que se candidatou a vereadora em Januária

Justiça nega licença remunerada a servidora de Itacarambi que se candidatou a vereadora em Januária

O juiz Juliano Carneiro Veiga (foto), da 1ª Vara Cível da Comarca de Januária, negou a concessão de mandado de segurança a uma servidora da Prefeitura de Itacarambi, Maria Elisabet Lisboa Marques, que desejava receber três meses de salário, sem trabalhar, por ter se licenciado para candidatar a vereadora em outro município.
A legislação eleitoral permite que o servidor público se licencie, sem prejuízo da remuneração, para se candidatar a qualquer cargo eletivo. Porém, aplicou-se ao caso o entendimento já pacificado na jurisprudência, de que “o servidor público que se candidata ao cargo de vereador em outro município, que não aquele onde é domiciliado, não tem direito a se afastar do cargo, com vencimentos integrais, pois não está sujeito a desincompatibilização”.
O Ministério Público também opinou pelo indeferimento do mandado de segurança.
“Demonstrado que a impetrante foi candidata em município diverso ao que ela é servidora, não há que se falar em afastamento remunerado”, enfatizou o magistrado, mencionando entendimentos no mesmo sentido externados pelo Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) e pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ).

“Assim, não há que se falar em concessão da segurança pleiteada”, finalizou.

Processo nº 0057712.63.2016.8.13.0352

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

FAMÍLIA DE ITACARAMBI RECONHECE O CORPO ENCONTRADO NO RIO SÃO FRANCISCO EM JAÍBA NO NORTE DE MINAS

Dois homicídios na mesma noite agita a cidade de Itacarambi-MG.